Dom Murilo Krieger apresenta “Orientações para a Pastoral do Dízimo”

CNBB divulga mensagem para as eleições 2016
14 de abril de 2016
CNBB divulga Declaração sobre o momento nacional e Documento sobre o Laicato
14 de abril de 2016

O arcebispo de Salvador (BA) e vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Murilo Sebastião Krieger, falou durante coletiva de imprensa, na quarta-feira, 13, sobre as “Orientações para a Pastoral do Dízimo”, um dos assuntos abordados na 54 Assembleia Geral da entidade, que acontece em Aparecida, desde o dia 6 de abril.

Segundo dom Murilo, o texto, que ainda não está pronto, nasceu de uma preocupação do regional Nordeste 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). De acordo com o bispo, a Pastoral do Dízimo tem, hoje, só um documento que foi escrito há 40 anos e por isso surgiu a necessidade de propor um novo.

“O assunto foi levado para o Conselho Permanente que achou tão interessante que pediu para que eu apresentasse na Assembleia de dois anos atrás. A partir daí cada grupo pôde fazer sugestões. Nós acolhemos essas propostas, estudamos e preparamos essas orientações que mandamos para os bispos que, por sua vez, mandaram contribuições, cerca de 320, e refizemos o texto”, explicou.

O arcebispo disse ainda que o texto foi apresentado nesta 54ª Assembleia e está recebendo novas contribuições, que posteriormente passarão aos cuidados do Conselho Permanente para uma avaliação final para, então, ser colocado a serviço da Igreja.

“São orientações para a Pastoral do Dízimo, não são diretrizes que todas as dioceses obrigatoriamente devem executar. Por que isso? Porque a gente percebe que cada vez mais a forma de sustentação da Igreja deve ser realmente a partir da contribuição do fiel, uma contribuição que tem um embasamento bíblico lá desde o Antigo Testamento. As orientações partem da compreensão do dízimo com fundamentação”, acrescenta.

Dom Murilo afirma ainda que o documento traz orientações práticas, de implantação, de organização. “Sem dúvidas o documento vai ser muito orientativo para todas as dioceses, são cerca de 18 páginas”, finaliza.

Os comentários estão encerrados.